AUDIOFILIA - Áudio Comum X Áudio HD

A tecnologia HD já adentrou sua vida através do vídeo em seu celular, tablet, computador e televisão e, o curso natural da evolução é que o áudio HD também entre. Hoje quem já conhece a diferença entre vídeo HD e a televisão de tubo com bombril na antena, sabe muito bem o tamanho do disparate. No áudio, que tem a capacidade de influenciar muito mais seu estado de espírito positivamente (ou negativamente se for ruim), não será diferente. O futuro chegou.

O que nos faz optar em pagar muito mais caro por um vinho nobre ao invés de um vinho barato é sua qualidade, seu sabor e aroma. Ambos vêm na mesma quantidade padrão (750ml) e têm basicamente o mesmo teor alcóolico, portanto te deixam embriagados do mesmo jeito entretanto, o sabor faz toda a diferença e justifica a diferença gritante de valores. 

Embora haja exceções, a maioria das pessoas também trocaria um prato com 5 kgs de comida temperado desproporcionalmente e sem cozimento adequado (cozido em excesso ou meio crú) por um prato com 500 gramas mas temperado com exatidão, textura de cozimento perfeito, temperatura ideal, aroma intenso e ingredientes cujos sabores únicos não são atropelados pelo excesso de temperos. Temos o mesmo exemplo em áudio e na audição de músicas. A quantidade (volume), assim como o sabor (refinamento) devem também lhe proporcionar prazer e satisfação. São poucas as pessoas que têm prazer em comer 5 kgs de comida fria e meio sem tempero em uma refeição, assim como são também poucas as pessoas que gostam de ouvir música com os tímpanos estalando de dor. 

Nossa proposta é diferente do que se encontra no mercado de som automotivo no Brasil em geral, que vem há anos usando potência absurdamente elevada com volume sonoro ensurdecedor como sua grande isca de apelo de vendas. Números grandes (potência) e temas de produtos com monstros, alienígenas, catástrofes naturais, armas de destruição e afins têm sido empregados para reforçar o apelo do volume sonoro altíssimo e maléfico, que obviamente é enfaticamente desaconselhado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) por causar a surdez prematura em jovens que gostam deste tipo de áudio. Embora nossos produtos possam atingir volumes altíssimos, esta definitivamente não é nossa principal proposta. Ter capacidade de tocar alto é importante para um dos critérios apresentados abaixo (dinâmica macro) e mesmo em volume moderado consegue-se muita emoção na audição de suas músicas sem ter que apelar para volume sonoro ensurdecedor. 

É comprovado que o melhor volume para se ouvir música com o máximo de percepção dos elementos musicais, instrumentos, intensidade e emoção fica entre 90 e 105dB. Nosso objetivo não é ser uma marca de áudio potente mas desequilibrado. Nosso público busca qualidade de vida, intensidade musical em qualquer volume e quer áudio de emoção, encantamento. 

Dentre todas as artes que existem, música é a mais consumida. Música nos alegra mas em alta definição nos emociona sem dúvida alguma! 

Mas afinal de contas, o que é audioflia? 

É a arte de ouvir música com o máximo de realismo possível. Ter a acentuada impressão ou sensação de estamos ouvindo a banda se apresentando bem à nossa frente ao invés de estarmos ouvindo alto-falantes. Assim como a enologia (arte de degustar vinhos), a audiofilia tem seus critérios para qualificar um áudio ruim, razoável, bom, muito bom e excelente. Veja abaixo os principais:

- Equilíbrio espectral: Perfeito equilíbrio entre sub-grave, grave, médio e agudo. Assim como a comida não pode ter tempero demais ou de menos, a música para soar prazerosa não pode soar desequilibrada. Este critério é muito importante e deve ser observado se ocorre em volume baixo, médio e alto. Achar que apenas equalizando se resolve isso no seu player é equivocado. Produtos de baixa qualidade apresentam variações grandes quando trabalhando em frequências (hertz) e volumes diferentes. Por exemplo, agudo muito acentuado em volume baixo, correto em volume médio e saturado em volume alto. Ou o grave soar tímido demais em volume baixo e agressivo demais em volume alto. Nem equalizando no player se corrige isso, daí a importância de usar bons alto-falantes de precisão ao invés de alto-falantes ariscos e rebeldes.

- Precisão tonal: Conhecido como assinatura sônica, é a identidade sonora única de cada instrumento, voz, efeito, etc. Um sistema de áudio imaculado de alta definição permite distinguirmos com absoluta clareza a diferença entre um piano Steinway and Sons com calda e um piano vertical comum por exemplo. Assim como a diferença entre um violão fajuto e um violão profissional nobre e caríssimo. Ou seja, você não ouve um piano apenas, você ouve o fantástico timbre de um piano nobre Steinway and Sons. O realismo é tamanho que nosso cérebro chega a entrar em conflito ao ouvir algo tão real vindo de meros alto-falantes. A diferença é que são alto-falantes de precisão, usados em competições de Hi-Fi. 


- Dinâmica micro, média e macro: Música é puro sinal dinâmico e não estático. Sistemas de áudio comuns ou com foco apenas em potência não costumam conferir boa dinâmica musical, que é o critério que faz a música soar intensa, empolgante, envolvente e tocante. A micro dinâmica lhe permite ouvir detalhamentos da música com nitidez, assim como a macro dinâmica faz a música soar mais pulsante, intensa e plena. Já a média dinâmica reproduz com perfeição pequenas variações de volume vindos de um vocal, instrumentos de sopro ou efeito sonoro por exemplo. Você não precisa ter ouvidos treinados para notar a diferença, ela é sentida de forma bem clara já nos primeiros segundos.

- Ataque: Os intrumentos musicais não podem embolar um no outro. Em um sistema de áudio comum, ao ouvir uma orquestra com sua dezenas de instrumentos musicais diferentes por exemplo, têm-se a impressão que alguns instrumentos somem, assim como é difícil distinguir todos no ouvido. Literalmente soa confuso e embolado. Isso é decorrente de alto-falantes e amplificadores "pesados" e lentos que embora possam dar muito volume sonoro, não têm velocidade de ataque para reproduzir todos os elementos da música simultaneamente sem embolar tudo.

- Sibilância: O agudo deve soar presente e limpo, sem fazer com que agudos de pratos de bateria soem sujos e sibilantes. O mesmo para vocais, o S não pode soar como CH. Tweeters com domo de mylar, alumínio e PEI tendem a saturar em volume alto, fazendo o agudo soar estridente e bem irritante.

Ambiência: Algumas músicas são gravadas em estúdio e outras em estádio. Também pode-se gravar em salas de concerto, em estúdios grandes e pequenos com pé-direito alto ou baixo. E isso deve ser claramente perceptível. A música não pode soar como se estivesse dentro de um banheiro. A ambiência proporciona maior sensação de realismo lhe fazendo sentir que está "lá" e não dentro de seu carro no meio do trânsito. Fantástico!

- Palco sonoro homogêneo: O objetivo do kit componente de 2 vias (ou simplesmente kit 2 vias) é proporcionar palco sonoro. Até aí qualquer kit 2 vias faz isso. A diferença para um kit 2 vias high-end (com tecnologia de ponta) é ter entrosamento e dissipação entre grave, médio e agudo de forma homogênea. Com kits de baixa qualidade o agudo soa muito em cima e o médio e grave embaixo. O ideal é que isso não ocorra, principalmente se você é alto ou baixo.

- Picos e vales na resposta de frequência: Alto-falantes de baixa qualidade não são consistentes e perdem a linearidade em sua resposta. Ou seja, há alto-falantes que fazem o médio soar muito forte em relação ao agudo ou grave, sobrepondo o som de alguns instrumentos sobre outros. Ex.: Violinos muito presentes e contra-baixo tímido demais. No equilíbrio espectral a desproporção de grave, médio e agudo ocorre quando se ouve em volumes diferentes, já em picos e vales a desproporção no volume é ocasionada pela incapacidade do alto-falante em tocar determinadas frequências no mesmo volume das demais frequências da música. Ou seja, seu alto-falante deve ser correto não só em qualquer volume como também em qualquer frequência de trabalho. 

- Brilho: Já ouviu um sistema de áudio que parecia que havia um tapete sobre o alto-falante/caixa de som? Não estamos falando de volume e sim de soar aberto, com brilho, limpo e puro. Adotamos domo de seda em nossos tweeters e cone de celulose para garantir que a música soe assim como os instrumentos originais soam ao vivo. Ninguém quer um áudio pálido e frio. 

- Damping: É o quão controlável o alto-falante é junto ao amplificador. Nosso diferencial é ter amplificadores com alto damping factor, o controle elétrico sobre o alto-falante. E também ter alto-falantes altamente controláveis, proporcionando um áudio firme, sólido e de alta precisão.



Conte com nosso suporte dado pelo Serviço de Atendimento ao Consumidor pelo e-mail sac@audiophonic.net, pela nossa página no Facebook aqui ou pelo telefone (11) 5052-2300. Sabemos da importância de entregar nosso verdadeiro produto que vai muito além de alto-falantes e amplificadores bonitos. Nosso compromisso é com sua satisfação, áudio de emoção e o largo sorriso no rosto ao ouvir música. Definimos bem o resultado final acima que é o nosso real produto ao invés de focar nos materiais empregados nos produtos, nos números grandes e na beleza do design. Como o som em seu carro será usado de 2-4 horas por dia em média, 365 dias por ano durante muitos anos, será seu companheiro do dia-a-dia por muito tempo. Dessa forma, vale a pena investir em algo que lhe trará maior qualidade de vida, prazer diário, funcionará como terapia eficiente e barata assim como, influenciará seu estado de espírito positivamente! Áudio HD confere em sua vida mais que qualidade e estilo, confere muito mais vida!




OBS: A qualidade final do áudio varia conforme o reprodutor (player) usado. Com o original de fábrica já se consegue um resultado muito bom,  se for usado um reprodutor também High-end o nível final no refinamento sobe consideravelmente.